Vida pós AVC: o que muda?

Perda de funções motoras, cognitivas e psicossociais são algumas consequências de um acidente vascular cerebral (AVC). Elas podem ser agravadas se não tratadas devidamente. Porém, é possível ter uma boa qualidade de vida após sofrer esta emergência médica.
Geralmente, o AVC é mais comum em indivíduos com histórico familiar da doença, uma vez que a maioria dos fatores de risco, como hipertensão, obesidade, diabetes, distúrbio do colesterol, entre outros, é de cunho genético. Aspectos ambientais e culturais ligados às características familiares também podem induzir ao seu desenvolvimento.
É fundamental conhecer os sintomas, pois quanto antes se iniciar o tratamento, maiores as chances de sobrevida e da redução de sequelas. Paralisia de um lado do corpo e fraqueza são alguns dos sinais.
A chance de um AVC se repetir é grande, por isso se o indivíduo não fez controles antes da instalação do quadro, deve ser encaminhado para rígidos cuidados de prevenção. Não existe um tempo estipulado para reabilitação, pois isso varia de acordo com o paciente. O ideal é começar uma reabilitação profissional ainda no período de internação hospitalar até o paciente se recuperar completamente.
É recomendado que o paciente tenha um acompanhamento neurológico, que estipule suas condições clínicas e risco cerebrovascular. É importante manter um sono de boa qualidade, não fumar e praticar atividade física. Nos casos em que o paciente apresente dificuldades de ingestão, alimentos líquidos ou consistentes cedem lugar às texturas mais pastosas. Quando há perda da capacidade de comunicação, a fonoterapia possibilita a reabilitação da linguagem.
Quem sofreu um AVC pode ter de conviver com sequelas, mas isso não defasa totalmente a qualidade de vida, uma vez que é possível ter reabilitação, reestruturação física e recuperação de contato social. Um tratamento multidisciplinar é essencial para se atingir resultados mais efetivos. O apoio da família é fundamental nesse processo, assim como é fundamental a prevenção
.
Fonte: ABNeuro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *